FAÇA A SUA DOAÇÃO

Bike Art

Sobre os artistas:

Fernando Berg (IG @obergw) – Um dos maiores grafiteiros brasileiros.Suas pinturas com animais mantêm sua técnica realista nos principais muros do Brasil e do mundo.

Claudio Takita (site: takita.art.br /@claudiotakita)– Uma das maiores expressões no cenário mundial, vem despontando com um dos maiores realistas e expressionistas.

Rita Caruzzo(IG @ritacaruzzo)– Rita Caruzzo, além de ser uma das mais expressivas artistas da década atual mantém em seu ateliê um espaço inclusivo para jovens e crianças especiais.

Sylvia Soares (IG @soasyl) – Artista de notável impacto, galerista, instrutora da Belas Artes e extremamente conceituada com sua técnica e obras.

Sobre a ONG:

A ONG Nosso olhar tem o início da sua história na chegada do Chico que transformou o mundo dos seus pais que se motivaram a fundar uma associação com objetivo de transformar o mundo de muitas outras pessoas. Em meados de 2015, a família começou com um grande portal de conteúdo “Down é Up” para compartilhar experiências, acolher e informar a sociedade sobre a síndrome de Down (Trissomia 21). Hoje esse trabalho está amplificado através da associação que chega para mobilizar e educar a sociedade para um mundo mais inclusivo.

Sobre a Galeria Zero:

A Galeria Zero, como forma de promover a arte em todas suas vertentes, apoia novos e consagrados artistas, principalmente projetos inovadores que impactem os expectadores e promova a inclusão cultural dos amantes da arte em geral.

Contatos para imprensa:

Carla Schultz |Marketing & Comunicação| carla@thaimarketing.com.br

Thaissa Alvarenga |Fundadora Nosso Olhar| thaissa@nossoolhar.org

www.downeup.com.br| Instagram: @downeup
www.nossoolhar.org| Instagram: @nossoolhar

Projeto Bike Art promove inclusão de jovens com síndrome de Down

Artistas plásticos renomados incubam jovens para trabalho artístico que será exposto em grandes shoppings de São Paulo

O Projeto Bike Art foi desenvolvido pela ONG Nosso Olhar. A associação foi criada para mobilizar a sociedade para a causa da síndrome de Down pela empresária Thaissa Alvarenga, mãe de três filhos, sendo que o Chico, seu filho mais velho tem síndrome de Down.  Atualmente, somente no Brasil, existem mais de 45 milhões de pessoas com alguma deficiência, praticamente 24% da população, segundo o IBGE.

A ONG procura desenvolver projetos que geram inclusão na sociedade e está de olho nos grandes movimentos do país. Hoje, no Brasil, existem mais de 70 milhões de bicicletas, segundo a Abraciclo, que circulam por suas cidades com intuito não só de locomover, mas de transformar e disseminar valores e ações de cidadania através da união de gêneros, idades e classes sociais.

Desde o ano passado, a ONG desenvolveu um protótipo que virou sua mascote: a “Bike Truck Down é UP” que já participou de diversos eventos em São Paulo (Taste SP, SPFW, Roche, entre outros) empregando pessoas com síndrome de Down. Seu grande sucesso impulsionou a ONG para refletir sobre este movimento de bikes no país, nascendo o projeto Bike Art que busca a inclusão de pessoas com síndrome de Down através de um olhar artístico.

O escopo do projeto Bike Art é espalhar bicicletas truck– bicicletas adaptadas para incluir produtos para venda ou distribuição ao consumidor – pelos grandes centros comerciais. O projeto é formado por 04 etapas:

Processo artístico: customização por artistas plásticos renomados que encubaram em seus ateliês jovens com síndrome de Down. Os jovens contribuem para o processo criativo do artista, além de desenvolver trabalho autoral em telas que serão expostos com a bike.

Exposição: as bikes e telas serão expostas na Galeria Zero que chancelará o trabalho artístico de arte que foi desenvolvido com amor e sensibilidade pelos jovens e artistas. Em 10 de julho, acontece o Preview da exposição que poderá ser conferida até 13 de julho no mesmo local. Galeria Zero – Rua Simpatia, 23.

Trabalho: as Bikes rodarão a cidade em diversos pontos comerciais, onde jovens com síndrome de Down serão contratados para vender chocolates e doces. Incentivando a geração de renda.

Lucro com impacto social: ao final de cada rodada do projeto, uma nova exposição acontecerá para leiloar as obras de arte. Todo lucro será revertido para remunerar os custos do projeto, assim como os jovens com síndrome de Down incubados pelos artistas.

A partir de julho, o projeto Bike Art será exposto em shoppings, como Tiete Plaza, Granja Viana e outros, e o público poderá conferir o resultado artístico da primeira rodada com a curadoria de artistas renomados como Rita Caruzzo e as jovens Joana Mocarzel e Bia Reis, Fernando Berge a jovem Vanessa, Claudio Takita com Felippe, e Sylvia Soares com a Mayara. Este projeto evidenciará que jovens com síndrome de Down podem e devem ser incluídos na sociedade com êxito.

“A Ong Nosso Olhar quer trazer a mobilização e educação para uma real inclusão na sociedade. Este projeto Bike Art será um negócio social, que pretende empregar pessoas com Síndrome de Down, para que possam se tornar ativas profissionalmente e financeiramente. Sem falar do movimento artístico que será procurado para trazer também a arte para o Mercado de Trabalho” – comenta Thaissa Alvarenga, fundadora sobre o projeto.

“Participar deste projeto me abriu outra visão sobre expressão artística e social, pois estes jovens não procuram a estética como principal aliada na pintura: eles veem o mundo com otimismo, se expressam com sinceridade e humildade, além de cuidarem de quem está a sua volta. Fazer parte deste projeto me ajudou a entender sobre novas formas de inclusão e sobre respeito” – comentou o artista Fernando Berg.

“Esse projeto tem um tom especial, pois minha intervenção com o jovem parceiro demandou responsabilidade, atenção e dedicação. Tive a imensa satisfação de ver o sorriso estampado do Felippe. Não há nada mais confortante de que saber que o meu trabalho acendeu mais uma estrela” – comentou o artista Claudio Takita.

“Acredito que uma das responsabilidades do artista seja apoiar e ajudar a divulgar projetos sociais. Este, em especial, foi muito gratificante para mim. Adorei trabalhar com a Mayara, aprendi com a experiência,e me senti extremamente bem acolhida e próxima dela” – comentou a artista Sylvia Soares.

“A inclusão dos jovens é importante,tanto no trabalho como na sociedade e a arte é um instrumento maravilhoso e lúdico para isso acontecer. Eu simplesmente amei poder contribuir um pouquinho,aliás eu ganhei muito mais com o sorriso, alegria, sensibilidade e sinceridade da Bia e da Joana.Foi uma sintonia incrível desde o início”– comentou a artista Rita Caruzzo.