Projeto disponibiliza cartilha para trabalhar cuidados e proteção com as crianças

Nesta terça (21), às 19h, a ONG Nosso Olhar transmite uma live que traz uma discussão essencial, a educação como ajuda na prevenção ao abuso sexual infantil. Com transmissão via Facebook, a fundadora da ONG, Thaissa Alvarenga, conversa com as autoras do Projeto Eu Me Projeto, pensado para levar informação e proteção às crianças.

As autoras, Patricia Almeida, jornalista e mestre em Estudos da Deficiência e Neusa Maria, psicóloga, escritora e ativista social trazem ao debate a importância da conscientização sobre o tema na escola e também em casa. Participa ainda, a Kiki Faria, educadora física e criadora da BIAA – Biblioteca Itinerante dos Amigos da Angel, que compõe o grupo responsável por elaborar o material do projeto.

Patricia Almeida é jornalista, mestre em Estudos da Deficiência e mãe de três meninas. A mais jovem, a Amanda, nasceu com síndrome de Down. Através da necessidade de ensinar para a filha como conhecer melhor o seu corpo e se proteger de uma maneira que ela conseguisse entender e aprender, surgiu a ideia do projeto “Eu Me Protejo”.

“Procurei em todo lugar, mas não consegui encontrar nada adequado. Há muito pouco material educacional usado para a prevenção. Por isso, construí́ eu mesma uma cartilha. Usei ilustrações, frases curtas, diretas e claras”, conta ela.

A cartilha despertou o interesse de psicólogos e outros profissionais que trabalham com a temática do abuso sexual. Por meio de um trabalho conjunto foi criado o Eu Me Protejo, site que abriga esta cartilha em vários formatos e línguas diferentes, e outros materiais para mães, pais e educadores conversarem sobre o assunto com crianças de 0 a 8 anos, com e sem deficiência.

“É uma cartilha feita em linguagem simples e Desenho Universal para a Aprendizagem, e que pode ser usada na escola regular inclusiva para todos os alunos”, completa Patrícia.